domingo, 12 de abril de 2015

Especialistas estimam que 17 animais silvestres morrem a cada segundo em estradas

Cerca de 17 animas silvestres vertebrados são mortos por atropelamento nos 1,7 milhões de quilômetros de estradas brasileiras a cada segundo. Em uma estimativa subestimada, a fauna brasileira perde 475 milhões de indivíduos mortos por carros, caminhões e ônibus por ano. Estes foram alguns dos dados apresentados nesta quinta-feira (9), em audiência pública na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a pedido do deputado Ricardo Izar (PSD-SP).

De acordo com o parlamentar, estima-se que 390 milhões são pequenos animais como sapos, cobras, aves e mamíferos de pequeno porte, 55 milhões são animais como lebres, gambás, macacos, jiboias, tartarugas, entre outros, e 5 milhões são de grandes animais, tais como onças, onças-pardas, lobo-guará, tamanduá-bandeira, lontras, canídeos e outros felinos de várias espécies.

O professor e pesquisador da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e coordenador do Centro Brasileiro de Ecologia de Estradas (CBEE), Alex Bager, disse que estes números são apenas estimados e podem estar muito aquém da realidade.

Em comparação, Bager disse que nos Estados Unidos, onde este monitoramento é mais preciso, cerca de 340 milhões de aves silvestres são atropeladas por ano. “E os EUA possuem 880 espécies de aves. Nós possuímos 1.700 espécies. A verdade é que nós não sabemos o que está havendo no Brasil. Não conhecemos nem mesmo o resultado dos trabalhos realizados para mitigar estes desastres”, disse.

Segundo o pesquisador, não é apenas a sobrevivência destes animais que está em jogo pela falta de um maior cuidado ecológico nas nossas estradas, mas a vida humana. “Registram-se mais que 13 mil acidentes por ano com mortos e feridos envolvendo animais silvestres”, disse Bager. 

Comportamento de animais
O parlamentar observa ainda que algumas pesquisas têm relatado que a presença da rodovia afeta o comportamento de animais, sendo que alguns evitam a rodovia devido às perturbações do tráfego (ruído, produtos químicos, luminosidade); outros permanecem na borda da rodovia, sem levar em conta o tráfego; e por fim, os animais que somente evitam a rodovia quando há algum carro trafegando.

“De todos os impactos, o atropelamento é o mais evidente. E este pode afetar a demografia das populações e a estrutura de comunidades. As características das estradas, do tráfego e outros fatores, como o padrão da paisagem espacial, o clima da região e a sazonalidade podem influenciar na determinação dos locais e taxas de atropelamento”, afirma Ricardo Izar. 

Custos de passagens subterrâneas
A gerente do Núcleo de Meio Ambiente da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Janice Cabus, observou que, além do aspecto ecológico, é preciso observar também o econômico. O custo de uma passagem inferior de fauna, que permite a migração segura dos animais de um lado a outro da estrada, aumentaria o custo e a manutenção destas estradas em milhares de reais. Custo que de teria de ser repassado aos usuários por meio de pedágios.
O representante da Universidade Federal de Lavras concordou que estas passagens pedem muitas pesquisas e áreas exaustivamente estudadas. “Nós temos pelo menos um caso que pede urgência – disse – É na BR 101, no Rio de Janeiro, em área habitada pelo mico leão dourado. Precisamos gerar conectividade para estas populações”, assinalou Bager.

Nenhum comentário:

Postar um comentário