quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Mau exemplo de motociclistas prejudica trânsito

Hábito de guiar a moto entre as faixas ou em zigue-zague é comum no centro da cidade. A pressa e a falta de atenção também colocam em risco a vida dos pedestres


A pressa e a falta de atenção de condutores de motocicletas atrapalham o trânsito e colocam a vida de outras pessoas em risco. Com isso, tem se tornado cada vez mais comuns os relatos de pedestres e motoristas de outros tipos de veículos que se dizem prejudicados por esse tipo de comportamento.

Situações comuns de serem observadas por quem costuma passar horas no trânsito. É o caso de Brenio Silva, de 35 anos, que há dez deles trabalha como motorista de ônibus em linhas que circulam pela zona urbana de Caruaru. Ele enumera, com facilidade, uma série de incidentes que envolveram motocicletas.

"A maioria deles (condutores desse tipo de veículos) está sempre muito apressada. Eles não têm paciência para esperar o semáforo abrir, param em cima da faixa e ainda fazem manobras arriscadas", diz o motorista.

Ele revela que já presenciou cenas em que um motorista de ônibus parou o veículo para dar a preferência ao pedestre e, pela falta de atenção, o condutor da motocicleta acabou causando uma colisão. E destaca outro grande "problema", que é a popularização das "cinquentinhas". Nesses casos, os riscos seriam ainda maiores pela dificuldade de localização e de penalização do infrator (pela ausência da placa).

Além de prejudicar e expor outras pessoas no trânsito, esse tipo de comportamento também coloca em risco a vida de pedestres. Relatos como o do administrador Adnaildo Moreira, de 26 anos, expõem isso.

No início do mês, ele foi atropelado no centro de Caruaru. O responsável? Um motociclista que, logo em seguida, fugiu do local. "Por sorte, não foi nada grave. O semáforo havia acabado de ficar vermelho, mas ele estava tão apressado que não prestou atenção nos pedestres que já estavam atravessando a rua. Ele dobrou a esquina e me acertou em cheio. Por sorte, só tive pequenos arranhões", informa.

Para Adnaildo, resta o aprendizado sobre a necessidade de repensar os hábitos enquanto condutor. Ele também possui uma motocicleta, mas garante que, desde então, passou a dirigir com mais cautela.

"Fiquei imaginando se no meu lugar estivesse uma pessoa com idade mais avançada. Ela poderia ter ficado gravemente ferida. A gente fica tentado a driblar os veículos no trânsito, mas não pode esquecer que também precisa pensar nos outros", reflete.

PUNIÇÃO
É importante que os condutores fiquem atentos. O avanço de sinal, além, é claro, de aumentar as chances de um acidente, é considerado uma infração gravíssima, punida com multa de R$ 191,54 e sete pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Pilotar entre as faixas, a exemplo do que muitos condutores fazem no centro de Caruaru, é proibido pelo CTB (Código de Trânsito Brasileiro) e constitui infração prevista nos artigos 193 e 192. O primeiro estipula multa de R$ 574,62 para motociclistas que transitem na divisa das pistas de rolamento e acostamentos. A conduta é considerada infração gravíssima e representa sete pontos na carteira de motorista.

O outro artigo fala sobre a necessidade de manter distância de segurança lateral e frontal entre os veículos, assim como em relação à borda da pista, o que é desrespeitado pelos motociclistas que se aventuram em zigue-zague entre os demais automóveis. O ato é infração grave, com multa de R$ 127,69 e custa cinco pontos na carteira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário