quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Freio de mão precisa de revisão a cada 15 mil Km

Você puxa o freio de mão e, em vez de parar, o carro começa a descer a ladeira. Sim, esse componente, como em qualquer outro dos veículos, também é desgastado pelo tempo. Por isso, a revisão é fundamental.

O freio de mão, também chamado de freio de estacionamento, perde a eficiência durante o uso prolongado e, caso não esteja bem regulado, pode transformar sustos em graves acidentes.

É normal ocorrer, pouco a pouco, elevação do ponto de travamento das rodas, o chamado “freio alto”. É um afrouxamento normal no sistema. O outro problema é o estrangulamento, que dificulta a ativação e a desativação do freio por causa da pressão excessiva no cabo de aço.

Para manter o conjunto em perfeito funcionamento, recomenda-se a revisão a cada 15 mil quilômetros. 

Forma de usar 

A forma correta de usar o freio de mão interfere diretamente em sua vida útil. O cuidado com o freio de estacionamento não está apenas na manutenção, mas também no manuseio. O sistema deve ser acionado suavemente para evitar desgaste prematuro. O cabo de aço, e outras partes móveis ligadas a ele, acabam afrouxando bem mais cedo se o condutor tiver o mau hábito de puxar a alavanca com toda a força.

Além de sua função principal, impedindo o veículo de se movimentar enquanto estacionado, o freio de mão, em carros com transmissão manual, pode ajudar o motorista a arrancar em subidas fortes.

Na maior parte dos veículos, o freio de estacionamento é acionado por meio de uma alavanca que fica entre os bancos dianteiros. Também existem acionamentos por pedal (comum entre picapes e utilitários-esportivo) e nos carros mais modernos existe o sistema elétrico, ligado por um botão localizado no console central. Independentemente da sua forma de acionamento, ele não deve ser usado com o carro em andamento, salvo em uma situação de emergência em que ocorre falha no freio de pedais.

Fonte: Terra.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário