quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Autoescolas defendem projeto que acaba com aulas noturnas de direção

Proposta extingue a exigência, introduzida no Código de Trânsito Brasileiro em 2010, por colocar em risco a segurança de profissionais e alunos.


Representantes de instrutores e donos de autoescolas defendem o fim da obrigatoriedade das aulas noturnas. A mudança da regra, em vigor desde maio de 2010, foi debatida em audiência pública da Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (19).

Atualmente, uma regra introduzida pela Lei 12.217/10, que modificou o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97) exige que “parte da aprendizagem será obrigatoriamente realizada durante a noite”. Em seguida, resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) fixou essa exigência em 20% das aulas práticas nas autoescolas – isto é, quatro das 20 aulas exigidas para obter habilitação para conduzir carros ou motos.

O deputado Vicentinho (PT-SP) é autor do projeto de lei (PL 2056/11) que acaba com a obrigação, revogando toda a Lei 12.217/10. Segundo ele, alunos, trabalhadores e empresários do setor estão sendo prejudicados, principalmente por conta da insegurança das cidades brasileiras. "Nós temos casos de pessoas que foram assaltadas, que morreram por causa da aula noturna e condições inseguras e perigosas. Então, o que se quer é uma flexibilidade neste aspecto. Tem aula noturna, ok. Mas não se pode obrigar de maneira tão rígida que põe em risco os trabalhadores desta área", argumenta o deputado.

Aulas fictícias
Eli Almeida, diretor do Sindicato dos Instrutores e Empregados em Auto e Moto Escolas do Distrito Federal, destacou que o setor é formado por micro e pequenas empresas que não têm condições de contratar pessoal suficiente para o horário noturno, acarretando sobrecarga para os profissionais. "A maioria das empresas usa essa lei como forma de concorrência predatória. Eles não ministram aula noturna. Apenas registram que essa aula existiu e concorrem predatoriamente com aquelas empresas sérias que colocam os instrutores para trabalhar à noite, arriscando suas vidas", denuncia Almeida.

A questão da segurança é a que mais preocupa os donos das empresas. O presidente da Federação Nacional das Autoescolas, Magnelson de Souza, reconhece a importância das aulas noturnas para a formação dos candidatos, mas faz uma ressalva. "Pelo alto grau de insegurança que nós vivemos hoje em todas as capitais, é impossível nós exigirmos isso do cidadão ou do profissional que está trabalhando. Então, em função disso, em função de não termos um cenário adequado para isso, com mínimos requisitos de segurança, é que nós somos favoráveis ao projeto de lei do deputado Vicentinho", disse.

Tramitação
O projeto que desobriga as autoescolas a oferecer aulas noturnas tramita em caráter conclusivo e será votado na Comissão de Viação e Transportes, onde já tem parecer favorável, e depois segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça.
 

Íntegra da proposta:

Nenhum comentário:

Postar um comentário