segunda-feira, 30 de setembro de 2013

De multa a acidentes: veja motivos para não usar a banguela

Prática ainda comum entre os motoristas, a chamada banguela é um hábito perigoso e que pode acabar custando caro. Diversos problemas podem acontecer caso você utilize o ponto morto nas descidas. Além de não economizar combustível, como acontecia nos carros antigos, o método ainda pode resultar de multa a acidentes. Veja por que não usar a banguela. 

Perigo nas curvas – O carro desengrenado fica muito solto. Isso prejudica sua capacidade de curva, pois, geralmente, o freio não da conta de segurar o automóvel sozinho. O motor também serve como um auxiliar ao freio do carro para manter o controle. A tração também auxilia na estabilidade. 

Desgaste dos freios – Andar com o carro na banguela pode resultar em superaquecimento dos freios. Se engrenado, o carro tem a ação do motor como freio. Isso contribui para menor uso do sistema de frenagem. Com o carro em ponto morto e sem esse auxílio, o sistema é sobrecarregado e pode apresentar falhas. 

Multa – De acordo com o artigo 231 do Código de Trânsito Brasileiro, transitar com o veículo desligado ou desengrenado em declive é uma infração média, com multa de R$ 85,13 e mais quatros pontos na carteira de habilitação. 

Consumo de combustível – Ao contrário do que muitos pensam, usar o ponto morto em trechos de declive não economiza combustível. Essa prática poderia ter um efeito em carros carburados. Os de hoje, porém, equipados com injeção eletrônica, continuam jogando combustível na câmara de combustão, mesmo com o carro em banguela. O carro engrenado e em declive que sim, economiza combustível. A central verifica as informações do veículo e ao notar essa situação, diminui o combustível injetado na câmara. Portanto, carro na banguela gasta mais do que se tiver engrenado. 

Problemas no câmbio – Ao colocar o carro em ponto morto, a lubrificação da caixa de marchas é interrompida. A longo prazo, o prejuízo é enorme havendo inclusive o risco de travar todo o sistema.

Fonte: Terra.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário